Notícias

5
ago

O Poder e o simbolismo do círculo gaiano

Somos um círculo, dentro de um círculo,
sem começo e sem fim.

Canção tradicional dos povos nativos americanos

Com muita felicidade iniciamos na última quinta-feira (30 de julho) um novo círculo gaiano – seja bem-vinda turma Educação Gaia 2015! Para os gaianos, o círculo é um espaço sagrado que nos conecta a um símbolo muito antigo e universal, representando a unidade e a totalidade em sua forma infinita, sem começo nem fim. Ao fazer parte de um círculo especial como esse, desenvolvemos a conexão amorosa (de coração para coração), a confiança e ousadia para falar a própria verdade, o amor e a compaixão para abrir-se a ouvir a verdade do outro.

Segundo a escritora Cristina Baldwin, no livro Calling the Circle (Editora Bantam Books, Nova York, 1998), o círculo terá um papel muito importante na “Terceira Cultura”, que já está emergindo por meio de ações de pessoas de várias partes do mundo que se dedicam a criar uma nova civilização baseada em cooperação, amor e solidariedade para com todos os seres e para com a Gaia – nossa Mãe Terra.

Por meio das pinturas, mitos e petróglifos que nos chegaram da “Primeira Cultura”, na infância da humanidade, sabemos que nossos ancestrais viviam em comunidades baseadas em conceitos e atitudes circulares e se sentiam parte da teia da criação. Suas estruturações sociais, seus conflitos e celebrações e sua reverência ao plano espiritual eram professados no círculo, ao redor e sob a força de um elemento simbólico disposto no centro – na maioria das vezes, usava-se o fogo.

Na “Segunda Cultura”, esta em que vivemos, o elemento círculo foi substituído pelo triângulo, adotado pela organização social em forma de hierarquias e pirâmides diversas. A liderança eventual pode ser utilizada para o crescimento de todos, de uma forma dinâmica, voltando a um ponto de equidade após ter cumprido o seu papel. Mas a liderança transformou-se em modelo negativo no “mundo-máquina”, com pessoas disputando papéis, dominando os mais frágeis, desconsiderando a Mãe Terra e suas criaturas, lutando com armas cruéis e egoístas pelo topo da pirâmide.

No curso Educação Gaia resgatamos o princípio circular da “Primeira Cultura”, contribuindo assim com a construção da circularidade da Terceira. Em nossas atividades, sobretudo em conselhos que acontecem ao final de cada Dimensão (bloco de conteúdos teórico-práticos do curso), honramos essa forma circular que acolhe e integra diferenças individuais. À volta da circunferência, reconhecemos a importância de cada participante e também a sua contribuição – ali, a verdade pertence a todos e se coloca no centro de nós. Não há lugares de privilégio ao sentarmos em círculo, nele todos somos iguais e, equidistantes do poder do centro, podemos nos ver de qualquer ponto e olhar nos olhos de todos.

centro-gaiano-615x483

Centro de círculo gaiano com diversos elementos da natureza, em homenagem às antigas tradições.

Para lembrarmos e honrarmos a antiga tradição, também utilizamos centros criados pelos gaianos, onde se colocam flores ou outros elementos da natureza, o bastão da fala e artefatos que representam os quatro elementos físicos (água, terra, fogo e ar), entre outros símbolos.

A reunião em círculo de pessoas que compartilham os mesmos objetivos e interesses é uma maneira ancestral e profunda de provocartransformações pessoais e coletivas. Após criado, o círculo deve ser mantido e alimentado pelo entrelaçamento das intenções e compromissos individuais. Por isso, gaianos sempre se reencontram em círculos diversos que renovam os nossos votos.

Para além do círculo, é comum me perguntarem se a forma de nosso tempo não seria a rede. Certamente a teia da vida está reproduzida holograficamente em redes, a forma mais eficaz de representar relações, mas esse assunto fica para uma outra conversa…

Namastê.

Autora: Lena Ferreira | Coordenadora Pedagógica do Curso Educação Gaia Brasília 2015.
Dica gaiana para leitura:

Livro “Círculos Sagrados para Mulheres Contemporâneas”. Autora: Mirella Faur.
Obs: É também para homens sensíveis, construtores da Terceira Cultura.

Leave a Reply