O Curso

Origens

O Programa Gaia Education foi criado por um grupo de educadores e designers de ecovilas de diversos países. Este grupo denominado GEESE (Global Ecovillage Educators for a Sustainable Earth), vem se reunindo desde 1998 com o objetivo de disponibilizar para o mundo os conhecimentos e habilidades desenvolvidos nas ecovilas.

O curso Educação Gaia – Design para Sustentabilidade foi a primeira realização do GEESE, estruturado com base na experiência e conhecimento das mais bem sucedidas ecovilas e projetos comunitários do mundo.

Foi oficialmente lançado em 2005 na ecovila Findhorn na Escócia, por ocasião da comemoração do décimo aniversário do Global Ecovillage Network (Rede Global de Ecovilas).

Com uma abordagem holística e transdisciplinar o currículo tem uma ampla gama de experiências práticas e é repleto de ideias e ferramentas inovadoras, desenvolvidas e testadas em comunidades que atuaram como laboratórios de práticas sustentáveis.

Desde seu lançamento em 2005, o programa Educação Gaia é reconhecido como uma Contribuição Oficial à Década Internacional da Educação para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (2005-2014). Seu currículo tem endosso da UNESCO e UNITAR – Instituto para Treinamento e Pesquisa das Nações Unidas.

 

Uma rede em expansão

Hoje, o Educação Gaia está presente em mais de 40 países, atuando em parceria com universidades, governos, agências não governamentais, ecovilas e comunidades urbanas e rurais nos cinco continentes e ao todo já foram realizados mais de 100 programas e certificados mais de 3000 alunos.

 

Aprendizados

O respeito à diversidade racial, cultural e de gênero, o empoderamento do indivíduo e da comunidade, a liderança circular, não hierárquica, a construção de uma economia justa, a conscientização ecológica, a reconexão do homem consigo, com o outro e com a natureza e, a ampliação da uma rede de paz são os fios que tecem o nosso processo de aprendizagem.

O currículo do curso abrange as múltiplas faces do design de ecovilas dentro de um todo interdependente. Ele é também descrito como integrativo, o que significa que a cada componente é dada a mesma atenção, percebendo-se que eles estão relacionados uns com os outros e ao programa, como um todo.

Além das aulas teórico-vivenciais, o curso inclui oficinas e estágios onde os conceitos são testados e aplicados na prática. Os projetos de sustentabilidade, desenvolvidos em grupo, buscam aplicar os conhecimentos num contexto local.

 

As 4 Dimensões

Dimensão Social

Compartilha valores e habilidades que ajudam a promover uma atmosfera de confiança, requisito fundamental para a construção da comunidades; explora formas de liderança não hierárquicas – horizontal – redes colaborativas; amplia a definição de tomada de decisão; incorpora a CNV – Comunicação Não Violenta – como estratégia preventiva e para gestão de conflitos; potencializa mecanismos catalisadores de mudança rumo à sustentabilidade no contexto biorregional; e incorpora a celebração como expressão criativa individual e coletiva, que se apropria das múltiplas expressões da arte como recurso.

Dimensão Econômica

Reconhece os padrões dominantes e ativa pontos de alavancagem para a mudança; projeta vários elementos para uma economia local resiliente e para utilização de sistemas comunitários de moeda adaptados aos contextos locais; promove atividades econômicas pessoais em alinhamento com os valores ecológicos; e identifica estruturas jurídicas e estratégias financeiras locais socialmente responsáveis

Dimensão Ecológica

Concebe sistemas de visão de mundo, social, econômico e ecológico, de forma integrada; aborda a utilização de tecnologias apropriadas, com uma avaliação realista da sua eficácia; integra a neutralização de carbono como requisito para projetos sustentáveis; concebe sistemas locais de produção de alimentos; apresenta formas eficazes para a reconstrução pós-humana e da natureza causada por desastres, além de recriar o tecido social.

Dimensão Visão de Mundo

Aborda a evolução da consciência, os padrões de mudanças paradigmáticas, a ecologia do ser, os processos de saúde e cura pessoal e do planeta de forma integrada, a espiritualidade socialmente engajada, entre outros temas que compõem um arcabouço filosófico-cultural para sustentar a implementação de projetos sustentáveis.

 

 

Público Alvo

O curso se destina a gestores públicos, líderes comunitários, educadores, profissionais do terceiro setor, estudantes universitários, profissionais das áreas humanas e sociais, biológicas, tecnológicas, técnicos e pesquisadores em tecnologias socioambientais, empresários, bem como todas as pessoas interessadas em sustentabilidade.

Da mesma forma como ocorre em outros países e cidades, o curso está aberto para pessoas de diferentes classes sociais, da cidade e do campo, e não exige diplomação acadêmica.